Acusado de assassinar cabeleireiro teixeirense é baleado e policial também acaba atingido durante operação de captura

Acusado de assassinar cabeleireiro teixeirense é baleado e policial também acaba atingido durante operação de captura
21 março 10:21 2017 Imprimir esta notícia

O homem acusado de assassinar o cabeleireiro teixeirense Wamevo Santos Cardoso, de 31 anos, crime ocorrido na ultima quinta-feira, dia 15 de março, numa praia de Manguinhos, na Serra, Região Metropolitana de Vitória-ES., foi baleado e preso na tarde desta segunda feira (20/03), durante uma ação policial no bairro Novo Horizonte, na mesma cidade onde aconteceu o assassinato.

Dois agentes da Delegacia Patrimonial (DP), foram designados para localizar o criminoso e durante a ação de captura, um deles também foi atingido. Segundo informação de Aloísio Fajardo, diretor do Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo (Sindipol), o investigador Roberto Avelino foi atingido no peito.

Retrato falado feito com base em informações da família da vítima

Retrato falado feito com base em informações da família da vítima

O policial civil foi socorrido e encaminhado ao Hospital Jayme Santos Neves, na Serra, onde continua internado. Fajardo informou que os investigadores chegaram na Rua Rouxinol e, antes de descerem da viatura, um suspeito fez dois disparos. Um deles atingiu Roberto Avelino.

Mesmo com o companheiro baleado a ação continuou e o suspeito de matar Wamevo foi baleado e socorrido ao hospital onde está sob custódia da polícia. A família de Wamevo reconheceu por fotos o assaltante que atirou e matou o cabeleireiro teixeirense.

O policial baleado teve duas paradas cardíacas, mas foi reanimado, já passou por uma cirurgia e terá que fazer outra operação. O nome do acusado não foi divulgado e a sua fisionomia coincide com o retrato falado divulgado recentemente pela Polícia Civil capixaba.

Por nota, a Secretaria Estadual de Segurança Pública do Espírito Santo (Sesp), informou que o policial civil está hospitalizado e que o estado de saúde dele é grave. O secretário André Garcia e o chefe da Polícia Civil, Guilherme Daré acompanham o caso. (Da redação TN)

  Categorias: