Alevinos de tilápias e tambaquis serão utilizados no combate ao Aedes aegypti

Alevinos de tilápias e tambaquis serão utilizados no combate ao Aedes aegypti
05 março 09:49 2016 Imprimir esta notícia

O controle biológico será feito por meio de uma parceria institucional entra a Secretaria de Justiça Social, Bahia Pesca, Secretaria de Saúde, prefeituras municipais, SDR e CAR

O acesso à água é uma conquista histórica para as mulheres do semiárido. Com a aquisição dessa importante política social, ficamos livres da mortalidade infantil, desnutrição e insegurança alimentar, por isso precisamos cuidar das nossas cisternas para que não se tornem focos do mosquito”. A declaração é de Ana Glécia Almeida, representante do Movimento de Organização Comunitária (Moc), uma das entidades da sociedade civil que compareceram na manhã dessa sexta-feira (4) à ação conjunta de peixamento para barreiros e aguadas para combate ao Aedes aegypti e reforço de segurança alimentar no semiárido.

A abertura do evento, que aconteceu no Centro de Treinamento de Líderes, em Itapoan, contou com a participação do Secretário de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (Justiça Social), Geraldo Reis, do diretor Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), e do representante da Bahia Pesca, Eduardo Rodrigues.

Durante o encontro, o titular da secretaria de Justiça Social, falou sobre a importância das entidades aderirem à campanha “Agora é todo mundo contra o mosquito”. “A secretaria de Justiça Social está em adesão à campanha do Governo do Estado, fazendo limpeza e mutirões em nossos equipamentos sociais, dessa forma, convoco a todos vocês para cuidarem das nossas estruturas hídricas de consumo e produção, tendo em vista o combate ao mosquito”. Reis ainda falou sobre a importância do projeto do Governo do Estado, que prevê o controle biológico do mosquito por meio de peixes, que se alimentam das larvas do transmissor, em barragens e aguadas, que não podem receber larvicidas.

Metodologia – O controle biológico das larvas do mosquito Aedes aegypti será feito por meio de uma parceria institucional entra a Bahia Pesca, Sesab, prefeituras municipais, SDR, CAR e a Justiça Social. A secretaria de Justiça Social fará a identificação de áreas de produção e grandes reservatórios públicos, situados em 18 cidades, que possam se tornar criatórios do mosquito

Os agentes de endemias farão visitas domiciliares, com a entrega de alevinos de tilápias e tambaquis, que serão colocados em locais que não podem receber larvicidas.

Simultaneamente, técnicos das secretarias e órgãos envolvidos na inciativa sensibilizarão a população, por meio da entrega de cartilhas e abordagem verbal, esclarecendo e tirando dúvidas de como se deve proceder frente a epidemia. (Da redação TN)

  Categorias: