ES confirma mais seis mortes por febre amarela. Já são 31 vítimas

ES confirma mais seis mortes por febre amarela. Já são 31 vítimas
A Prefeitura de Vila Velha promoveu nesta segunda-feira (20) uma vacinação à noite, no Teatro Municipal, na Praça Duque de Caxias, no Centro da cidade. A população fez fila para se imunizar contra a febre amarela.
21 março 21:15 2017 Imprimir esta notícia

Subiu para 31 o número de mortes confirmadas por febre amarela no Espírito Santo. O boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) foi atualizado nesta segunda-feira (20). São mais seis óbitos desde o divulgado na última sexta-feira, quando o Estado contabilizava 25 mortes. O número de casos confirmados, da mesma forma, aumentou, de 96 para 102.

As seis novas mortes confirmadas vêm das cidades de Muniz Freire, Brejetuba, Laranja da Terra, Pancas e Afonso Cláudio. O número de municípios capixabas que registram óbitos por causa da doença já chega a 14.

Uma nova suspeita de óbito pela febre aconteceu no último fim de semana. Em Venda Nova do Imigrante, Região Serrana, está sendo investigada a morte de um homem de 68 anos, morador da comunidade de Vargem Grande, zona rural. De acordo com a prefeitura, o idoso não foi vacinado por alegar problemas crônicos.

O número de municípios que registram casos confirmados da doença saltou de 24 para 25, pois a cidade de Santa Maria do Jetibá passou a integrar a lista.

De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde, até o momento 2.350.489 pessoas foram imunizadas contra a febre amarela em todo o Estado, o que representa uma cobertura vacinal de 65,59% da população.

Imunização

Em informe publicado nesta segunda-feira (20), o Ministério da Saúde afirmou que “havia uma grande proporção de municípios que estavam com baixas coberturas vacinais” no ano passado e que “este fato pode ter contribuído para a rápida expansão” da febre amarela.

Essa relação feita pelo governo federal acompanha a divulgação de dados comparativos sobre a abrangência da vacina contra a doença em 2016 e neste ano.

Nos municípios com recomendação de vacina por ser considerada zona de risco, a meta é sempre imunizar 95% dos moradores. Em 2016, 533 cidades de Minas Gerais já estavam incluídas como locais de risco para receber as doses – 47,4% delas não alcançavam 50% de cobertura; outros 47,8% dos municípios tinham entre 50% e 94,9% de seus moradores vacinados; com mais de 95%, estavam apenas 4,6% das cidades mineiras com recomendação de vacina.

O Espírito Santo, segundo mais afetado pelo atual surto, e o Rio de Janeiro, que passou a registrar casos confirmados na última semana, não estavam na área recomendada de vacinação da doença em 2016. (Com informações do G1)

  Categorias: