Fibria forma jovens aprendizes na operação de máquinas florestais

Fibria forma jovens aprendizes na operação de máquinas florestais
18 dezembro 09:28 2015 Imprimir esta notícia

Jovens de comunidades vizinhas às atividades de colheita florestal da Fibria no sul da Bahia tiveram nos últimos 18 meses uma oportunidade de grande valor para seu futuro. Eles participaram de uma qualificação voltada para o mercado de trabalho no setor florestal, segmento representativo na economia da região. A formatura do grupo foi realizada no dia 17 de dezembro.

A qualificação envolveu 20 jovens com idade entre 18 e 23 anos. O programa foi oferecido por meio de parceria entre a Fibria e o Senai-BA e contemplou um ano de aulas teóricas no Senai de Itabatã e seis meses de prática nas frentes de colheita da empresa, no sul da Bahia.

Juciara Cristina Neves Gama, 19 anos, é uma das participantes do programa e afirma que essa foi uma valiosa experiência. Após terminar o Ensino Médio e trabalhar um período no comércio, ela encontrou no programa uma nova perspectiva para seu futuro. “Por sermos de uma comunidade carente, não temos muitas oportunidades. A área de colheita é muito bacana, gostei muito do aprendizado e, com esse projeto, minha carreira ganha um novo foco”, conta.

Assim como Juciara, durante o período do programa, os participantes foram contratados pela Fibria conforme a Lei do Aprendiz. Todos receberam salário e benefícios como seguro de vida em grupo, plano de saúde, alimentação e transporte. Todos também recebem uniforme e equipamentos de proteção individual (EPI).

A capacitação foi focada na operação de dois modelos de máquinas usadas nas atividades florestais: oHarvester, que colhe e processa a árvore em troncos de acordo com as especificações da fábrica, e oForwarder, que empilha a madeira colhida e a deixa em local adequado para ser transportada.

“Nós, da Fibria, acreditamos que o curso é uma excelente oportunidade para os jovens. Essa qualificação profissional abre novas oportunidades para as comunidades locais e também para as empresas que atuam na região”, disse o gerente de Colheita Florestal da Fibria, Jairo Dal’Col.

aprend1O processo de aprendizagem incluiu acompanhamento, avaliação de desempenho e feedbacks constantes visando o desenvolvimento dos aprendizes. Cada equipe contou com um técnico para treinar, dar apoio e conduzir as atividades de campo. Os aprendizes também receberam orientação sobre cidadania, meio ambiente, trabalho em equipe, segurança, noções de mecânica, planejamento operacional e outros temas.

Trainees

Essa é a segunda edição do Programa de Aprendizes na Bahia. A formação é uma oportunidade de crescimento profissional para esses jovens. Da primeira turma, concluída no final de 2014, dez jovens foram contratados pela Fibria e hoje atuam como trainees na empresa. O programa tem duração de dois anos, e tem como objetivo aprimorar o desempenho na operação das máquinas para que os participantes estejam preparados para serem promovidos a operador de colheita. (Rogéria Gomes)

  Categorias: