Filhos do prefeito de Medeiros Neto e mais dois secretários saem da prisão

Filhos do prefeito de Medeiros Neto e mais dois secretários saem da prisão
18 agosto 02:38 2016 Imprimir esta notícia

O juiz federal Guilherme Bacelar Patrício de Assis, titular da Subseção Judiciária da Justiça Federal de Teixeira de Freitas, após ouvir mais de 60 testemunhas do caso em que a Polícia Federal e o Ministério Público Federal desarticularam com a “Operação Hera” uma organização criminosa, acusada de desviar verbas públicas do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), no município de Medeiros Neto, decidiu soltar todas as 4 pessoas presas nas duas fases da operação.

Na primeira fase em 8 de março de 2016, foram presos preventivamente a secretária Municipal de Educação Aleny Brito Lacerda e o seu genro, o chefe Municipal de Gabinete, identificado por Raniery Santos Lima, que ficaram recolhidos no Presídio do Conjunto Penal de Teixeira de Freitas.

Um mês depois, na quarta-feira do dia 13 de abril de 2016, foi a vez da Polícia Federal cumprir a prisão preventiva dos dois filhos do prefeito Nilson Costa, Nilson Vilas Boas Costa Júnior e Rogério Reis Costa. A decisão foi do juiz federal Guilherme Bacelar Patrício de Assis, titular da Subseção Judiciária da Justiça Federal de Teixeira de Freitas que atendeu a representação da procuradora federal Marcela Fonseca, do Ministério Público Federal de Teixeira de Freitas.

O juiz julgou na semana passada e hoje (17/08), o pedido de relaxamento de prisão dos acusados feito pela defesa dos mesmos. Na quinta-feira (11), a justiça soltou Raniery e Rogério. E nesta quarta-feira (17), foi a vez da justiça mandar soltar Aleny e Júnior.

O prefeito de Medeiros Neto, Nilson Vilas Boas Costa (PSB), de 80 anos, teve os seus dois filhos como alvos da segunda fase da “Operação Hera”, que apura denúncias de desvio de verbas públicas da educação no município. Os dois filhos do prefeito são réus em dois processos: Rogério Reis Costa  é réu por corrupção passiva no processo: 0021060-05.2016.4.01. 0000, Nilson Vilas Boas Costa Junior é réu por corrupção passiva no processo: 0027791-17.2016.4.01.0000.

Já Raniery Santos Lima e a secretária Municipal de Educação Aleny Brito Lacerda Souza são réus por emprego irregular de verbas ou rendas públicas nos processos 0031837-49.2016.4.01.0000 – 0031834-94.2016.4.01.0000 – 0003694-05.2016.4.01.3313.

Conforme a procuradora da república Marcela Fonseca, foi apurado em Medeiros Neto um esquema criminoso que era executado, em sua maioria, por servidores públicos da Prefeitura Municipal de Medeiros Neto, que inseriam dados falsos, como acréscimos salariais e gratificações ilegais, nos contracheques de servidores públicos municipais, escolhidos aleatoriamente. Ainda de acordo com as investigações, após a compensação dos valores, os servidores eram obrigados a devolver os acréscimos ilegalmente recebidos à Secretaria Municipal de Educação.

O delegado Pancho Rivas, que comandou a operação da Polícia Federal, disse que as prisões dos filhos do prefeito, se deram na ocasião porque eles estavam comandando um esquema de ameaças a testemunhas. Foram evidenciados indícios de que os dois filhos do prefeito estariam ameaçando as testemunhas no curso do processo e que outros servidores municipais que prestaram esclarecimentos junto ao Ministério Público Estadual e Federal estariam sendo coagidos a mentir nos depoimentos. (Por Athylla Borborema).

  Categorias: