Garoto de 6 anos atira e mata criança de 1 ano e 6 meses em Nova Viçosa

Garoto de 6 anos atira e mata criança de 1 ano e 6 meses em Nova Viçosa
04 novembro 23:37 2017 Imprimir esta notícia

Uma criança de 1 ano e 6 meses de idade (nascida em 20/04/2016), identificada por Thaylla Mendes Morais, que morava na Rua Graviola, nª 166, do Conjunto Habitacional Vila Viçosa, localidade também conhecida por Casinhas Velhas, na cidade de Nova Viçosa, morreu após sofrer um tiro de espingarda chumbeira na face por volta das 12h deste sábado (04/11). A criança chegou ser socorrida por um vizinho para a Clínica Municipal de Nova Viçosa, mas tão logo deu entrada na unidade, a equipe médica do plantão constatou o óbito.

Os policiais militares Oton Dantas e Silva Santos, da equipe do Sargento Reginaldo Souza (3º Pelotão da 89ª CIPM), chegaram ao local da tragédia minutos após o ocorrido e localizaram no quarto da casa, a arma usada no crime, uma espingarda curta de fabricação artesanal, da espécie chumbeira (carregada pela “boca”), além de uma enorme mancha de sangue na sala do imóvel.

Os militares conduziram todas as pessoas envolvidas direta e indiretamente na tragédia para a sede da 8ª Coordenadoria Regional da Polícia Civil de Teixeira de Freitas, onde o delegado Júlio César Telles, chefe do plantão territorial, lavrou o procedimento inicial ouvindo os militares e a irmã da vítima. Mas o caso seguirá sendo apurado pela equipe do plantão regional, chefiado pelo delegado Ricardo Amaral. E na segunda-feira (06), a presidência do inquérito passa a ser da delegada Waldiza Rocha Fernandes, titular da Polícia Civil de Nova Viçosa.

Entenda o caso

O autor do tiro fatal é outra criança, um garotinho de 6 anos de idade, que utilizou a arma artesanal para disparar contra a sua vizinha. O caso aconteceu na casa do autor. O menino que fez o disparo fatal mora na casa com seu irmão de 16 anos e com sua mãe que no momento da tragédia não estava em casa e se encontrava trabalhando numa Pousada. O menino que estava dentro do quarto, subiu numa cama e pela janela do referido quarto atirou contra a criança que se encontrava na sala inicial da casa, espécie de uma garagem.

A irmã da vítima, Taís Mendes Nascimento, 18 anos, disse que acordou por volta das 09h30 e após ajudar a sua mãe que é dona de casa em alguns afazeres do lar, por volta das 12h20, foi na casa da vizinha buscar uma bermuda que havia emprestado para ela, foi quando a sua irmãzinha menor Thaylla Mendes Morais, de 1 anos e 6 meses lhe acompanhou, que inclusive havia começado a andar recentemente.

Chegando à casa da vizinha ao anunciar sua chegada, o filho mais velho da amiga, de iniciais TCM, de 16 anos, respondeu dizendo que estava no banheiro se banhando e autorizou que ela entrasse e fosse até a varanda do fundo e pegasse sua roupa. E quando já se encontrava na varanda ela ouviu um estampido e correu para sala da casa e deparou com sua irmãzinha agonizando com o rosto todo perfurado e, ao olhar para o lado enxergou o garoto ainda com a espingarda na mão, que olhou para ela e disse: “Desculpa”.

A mãe da vítima, a dona Nilsângela Mendes da Conceição, passou mal tão logo correu para o local e presenciou a cena da sua filha alvejada no rosto. Já o seu esposo Thyago Costa Morais, pai da vítima, ainda não sabe da morte da filha bebê, já que ele é pescador profissional e há 10 dias se encontra em alto mar pescando e sua previsão de desembarque no Porto de Nova Viçosa é neste domingo (05).

A moça irmã da vítima, a única testemunha que teria a chance de impossibilitar a tragédia, disse que aconteceu tudo muito rápido – bastou ela adentrar à casa e dirigir-se aos fundos do imóvel já ouvia o estampido e ao retornar para acompanhar o que teria ocorrido já encontrava a irmãzinha agonizando e logo descobriu o garoto na janela do quarto ainda com a arma nas mãos.

Segundo ela, nem teria percebido que a irmãzinha teria lhe seguido, embora, ela era acostumada ir à casa da vizinha, onde ocorreu a tragédia. O adolescente de 16 anos, irmão do autor, confessou que a arma pertencia a ele e a utilizava para caçar e para proteger a família, já que ele é único homem da casa, tendo em vista que o pai é separado da mãe. (Por Athylla Borborema)

  Categorias: