Jovem que teria sido visto sendo colocado em viatura da polícia desaparece em Nova Viçosa; ouça

Jovem que teria sido visto sendo colocado em viatura da polícia desaparece em Nova Viçosa; ouça
06 janeiro 20:19 2017 Imprimir esta notícia

Na manhã desta sexta-feira, dia 6 de janeiro, familiares do adolescente João Victor Reis da Silva, residentes em Nova Viçosa, procuraram os veículos de comunicação de Teixeira de Freitas, inclusive as emissoras de rádio da Rede Sul Bahia e o Teixeira News, quando denunciaram o desaparecimento do menor. Segundo os parentes, a última vez que João Victor, de 15 anos, foi visto, estava sendo apreendido e colocado no fundo de uma viatura da Polícia Militar.

Os familiares contam que o adolescente saiu de casa no último dia 30 de dezembro de 2016, por volta das 18h30, em companhia de um conhecido de prenome Damião e que o mesmo disse que não demorava, já que tinha um compromisso de trabalho no dia seguinte. Quando retornava para sua casa, relatam os parentes, o garoto teria sido abordado por uma guarnição da Polícia Militar e colocado na parte de trás da viatura. Desde então, segundo consta na ocorrência formalizada na Polícia Civil, o menor não foi mais visto.

Os pais relataram na Polícia Civil, que o filho já teria sido apreendido anteriormente por um policial militar da cidade e que o mesmo, com base em depoimentos de supostas testemunhas, teria sido o mesmo que apreendeu o adolescente no dia do seu desaparecimento. O sumiço desse menor, além do assassinato de Alan Paranaguá, crime ocorrido na noite do último dia 1º de janeiro, motivaram uma revolta na cidade, que por pouco não culminou com a invasão da Delegacia da Polícia Civil (DEPOL).

O nome do policial militar que teria sido o responsável pela abordagem ao adolescente já foi passado ao delegado Maderson Dias, titular de Nova Viçosa, que investiga o caso. O comando da 89ª Companhia Independente da Polícia Militar de Itabatã (CIPM), que possui base de atuação nos municípios de Mucuri e Nova Viçosa, ainda não informou se está investigando o caso.

Como o menor não tinha hábito de sair de casa sem avisar, os parentes temem que o mesmo tenha sido assassinado, tanto que já procuraram em cidades da região e até nas plantações de eucalipto próximas de Nova Viçosa. A família pede que o Ministério Público (MP), entre no caso. (Da redação TN)

  Categorias: