Livro de Athylla Borborema ganha edição especial na 25ª Bienal de SP em tributo as suas “bodas de prata”

Livro de Athylla Borborema ganha edição especial na 25ª Bienal de SP em tributo as suas “bodas de prata”
02 agosto 10:22 2018 Imprimir esta notícia

A 25ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo que começa nesta sexta-feira, dia 3 e segue até domingo do dia 12 de agosto de 2018 no Pavilhão de Exposições do Anhembi, dentre suas atrações, celebrará este ano na tarde do penúltimo dia do evento, no stand da editora PerSe e no auditório da Livraria Cultura, as “bodas de prata” do escritor e jornalista baiano Athylla Borborema, que ganha a 2ª edição do seu primeiro livro “Amor à Paz” lançado pela primeira vez em 1º de setembro de 1993, na sua terra natal, Itamaraju.

Em 2018, o livro de frases de sabedoria olímpica de 900 páginas que foi todo adaptado para o seu lançamento na 25ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo é, sobretudo, o ingrediente principal para se comemorar os 25 anos do autor na literatura brasileira. Athylla Borborema é considerado um dos escritores nordestinos mais inovadores e originais de seu tempo e um dos maiores entusiastas da educação através da arte e da literatura, seu trabalho atualmente ocupa a lista das obras mais recomendadas da literatura nacional.

bieddAthylla Borborema é natural de Cumuruxatiba, balneário do litoral norte do município de Prado, mas foi radicado em Itamaraju desde os 6 anos de idade. Além de jornalista com mestrado e doutorado em jornalismo científico, é publicitário de formação e radialista tradicional no extremo sul da Bahia, onde atualmente comanda um programa de entrevistas nas manhãs da Rádio Câmara 90,9 FM de Teixeira de Freitas. É imortal em mais de uma dezena de Academias de Letras no Brasil e no exterior. É o titular da cadeira nº 02 e vice-presidente da ATL – Academia Teixeirense de Letras.

Autor com mais de 30 livros publicados, todos campeões de vendas e premiados no mundo inteiro. Dentre os seus livros mais famosas estão: Comunicação na Bandeja; Casamento Sem Sexo; O Poeta que Comprou o Mar; Arroto; Infância Violentada; O Poeta que não Conseguiu Morrer; Do Assessor de Imprensa ao Assessorado; Meus Gatos Meus Anjos; Um Gole D’Água; A Prova do Crime; Menino da Roça; O Diálogo do Perito com o Cadáver; A Garotinha do Vestido Azul; A Menina do Céu Cor-de-Rosa e tantos outros.

Este último “A Menina do Céu Cor-de-Rosa”, um romance policial contagiante, intrigante e excitante que tem enriquecido a bibliografia do jornalismo literário nacional, é talvez o livro mais lido de Athylla Borborema e que ganha na 25ª Bienal, uma edição revista e ampliada com o lançamento da sua 8ª edição. O autor narra à história da jovem MSC. Um clássico baseado em um fato real que reúne ficção e realidade na história de uma adolescente que estuprada pelo pai, é forçada a encarar o mundo da prostituição, apostar na sorte, experimentar fetiches e acaba caindo em um túnel escuro regado a drogas e assume o risco de perder para sempre aquilo que tem de mais valoroso: ela mesma.

biedJá o livro “Amor à Paz” que terá a sua 2ª edição lançada agora na 25ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo traz na apresentação uma homenagem ao radialista e jornalista Antônio Araújo Santana, um dos primeiros professores do autor no inicio da sua carreira jornalística e que prefaciou a obra na primeira edição em 1993. E traz também uma homenagem ao sonoplasta Carlos Santos, o “Carlinhos do Som” que levou o autor ainda adolescente a seguir carreira no rádio. A apresentação do livro conta de forma divertida e admirável o encontro de Athylla Borborema com estas duas figuras que se tornariam de grande importância para a vida e para a história do autor. (Da redação TN).

  Categorias: