Motorista do vice-prefeito Téa Pires já tinha sido promovido ao atropelar comerciante em Itamaraju

Motorista do vice-prefeito Téa Pires já tinha sido promovido ao atropelar comerciante em Itamaraju
Clóvis (à esq.) teve a perna fraturada em três lugares e Luann Pablo Lembrance (à dir.) acusado de provocar o acidente
23 março 13:26 2017 Imprimir esta notícia

Notícia atualizada

Enquanto o comerciante Clóvis Almeida, mais conhecido como “Clóvis do Bar”, permanece com perna fraturada em três lugares aguardando uma cirurgia no Hospital Regional de Eunápolis (HRE), o responsável pelo seu atropelamento, Luann Pablo Lembrance Vieira, assessor da Prefeitura de Itamaraju e designado para atuar como motorista particular do vice-prefeito Téa Pires, foi promovido pelo prefeito do município, Marcelo Angênica (PSDB). A promoção foi anterior ao acidente.

Como se não bastasse a irregularidade do desvio de função de um funcionário público nomeado com gratificação instantânea de 100% sobre o seu salário, agora, Lembrance, exercia o cargo de Assessor Nível 1 e foi promovido e renomeado para a função de Coordenador de Articulação Social e Política, cargo vinculado à Secretaria Municipal de Governo, que tem como titular o ex-petista Dalvadísio Lima. A nova nomeação também concede a Luann Pablo Lembrance Vieira, gratificação de 100% sobre o seu salário.

luandO acidente

O atropelamento aconteceu no início da tarde do último sábado, dia 18 de março, na Rua JJ Seabra, na região central da cidade. A colisão envolveu uma motocicleta Honda CG, de cor vermelha, placa policial JMN-7546, pilotada por Clóvis e uma Toyota Hilux, que por pertencer a Téa Pires, não teve os seus dados explícitos da ocorrência formalizada pela Polícia Militar.

O condutor da moto, conhecido como “Clóvis do Bar”, segundo testemunhas, seguia pela rua em sua mão de direção, quando o condutor da Hilux, que também teve o seu nome omitido da ocorrência de trânsito, tentou acessar a via, sem fazer a parada obrigatória. O motociclista Clóvis Almeida, para tentar evitar o impacto, promoveu uma brusca frenagem, quando desequilibrou-se e sofreu uma violenta queda.

Com o tombo o pequeno comerciante fraturou a perna esquerda em três lugares e como o Hospital Municipal de Itamaraju (HMI), continua com atendimento precário, Clóvis precisava ir para outra cidade ou pagar R$ 10 mil na rede particular.

E após a repercussão da notícia no Teixeira News, no início dessa semana o vice-prefeito Téa Pires, providenciou a transferência de “Clóvis do Bar” para o Hospital Regional de Eunápolis (HRE), onde o seu padrinho político Robério Oliveira é prefeito.

A informação que o comerciante seria operado em Porto Seguro acaba de ser descartada pela família. A previsão é que o procedimento cirúrgico aconteça nos próximos dias, mas em Eunápolis. (Por Ronildo Brito)

  Categorias: