OAB pede suspensão de advogada acusada de aplicar golpe milionário em idosas no ES

OAB pede suspensão de advogada acusada de aplicar golpe milionário em idosas no ES
11 agosto 10:03 2016 Imprimir esta notícia

A OAB-ES pediu a suspensão preventiva da advogada Jéssica Torezani, 25 anos,acusada de aplicar, junto com o noivo, um golpe milionário contra duas idosas em Vila Velha. O presidente da seccional Espírito Santo, Homero Junger Mafra, encaminhou ao Tribunal de Ética da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Espírito Santo (OAB-ES,) o pedido de suspensão preventiva da advogada.

O objetivo do afastamento é apurar uma eventual infração ética de Jéssica. No momento da prisão, a OAB-ES foi chamada para acompanhar a diligência como determina a lei. A Ordem informou que acompanhou a prisão para garantir as prerrogativas legais da advocacia.

O caso

Jéssica e o agropecuarista Sandro Vescovi Mozer, 31 anos, foram presos nesta terça-feira (08), acusados de um golpe milionário contra duas idosas. Segundo as vítimas, que são mãe e filha, de 87 e 67 anos, o casal que morava de frente para o mar na Praia de Itaparica, em Vila Velha, desfrutava de uma vida luxuosa às custas da herança delas, de direito após a morte do patriarca da família.

Segundo a delegada titular da Delegacia de Defraudações (Defa), Rhaiana Bremenkamp, a ação do casal começou há um ano, quando eles conheceram as idosas.

“A Jéssica e o Sandro conheceram uma das vítimas em uma festa. Elas comentaram que precisavam de alguém para fazer o inventário após a morte do patriarca da família e a advogada Jéssica ofereceu os serviços”, afirmou.

Desde então, a relação entre o casal e as idosas se tornou familiar. Em dezembro do ano passado, a advogada descobriu que a idosa de 87 anos possuía cerca de R$ 1 milhão em uma conta bancária e começou a colocar o plano em prática, segundo a Polícia Civil.

“Ela falsificou a identidade da idosa, colocando a foto da filha no documento da mãe, para que ela pudesse assinar uma procuração pública e autorizar a Jéssica fazer as movimentações financeiras”, afirmou a delegada Rhaiana.

Com pouco conhecimento jurídico, inicialmente, a filha da idosa não desconfiou de nada. Desde então, foram diversos depósitos na conta de Sandro. Em pouco tempo, o casal se tornou milionário. Com o dinheiro, compraram carros de luxo e um haras em Minas Gerais.

Em junho, desconfiada do casal, a filha da idosa de 67 anos – neta da idosa de 87 anos – pediu que o casal devolvesse os cartões e documentos das vítimas. Após muita resistência, o casal passou a foto da chave de segurança do cartão de crédito das idosas. Ao consultar o extrato da conta da avó, ela descobriu o golpe e procurou a polícia.

A idosa de 87 anos acabou morrendo durante esse período. Na delegacia, o casal não quis falar nada em depoimento e é acusado pelos crimes de estelionato, furto mediante fraude, falsificação de documento e falsidade ideológica. Eles foram encaminhados ao presídio. (Informações: A Gazeta)

  Categorias: