Pais e alunos vão à Câmara protestar fechamento de Escola em Teixeira de Freitas

Pais e alunos vão à Câmara protestar fechamento de Escola em Teixeira de Freitas
16 março 09:58 2017 Imprimir esta notícia

Na sessão ordinária da Câmara Municipal de Teixeira de Freitas, na manhã desta quarta-feira (15/03), sob a presidência do (vice-presidente) vereador José Bernardo Gomes Cabral (PSD), o plenário recebeu pais e alunos da Escola Municipal Filhos de Sião, situada na Rua Nilo Peçanha, proximidades do Mercado Caravelas, no centro da cidade.

Tanto os alunos, quanto os pais, foram à Câmara Municipal em dia de sessão plenária para protestar contra um ato do prefeito Temóteo Alves de Brito (PSD), que teria determinado o fechamento da unidade e os alunos seriam deslocados para outras unidades próximas. A tradicional Escola Municipal estaria ou está fechando as portas, e a notícia revoltou alunos e pais de alunos que foram a Câmara exibindo fachas e cartazes.

Todos os vereadores reagiram o ato de fechar a escola e fizeram pronunciamentos em favor dos presentes que protestavam contra o fechamento da Escola Municipal Filhos de Sião. O presidente em exercício, vereador Bernardo Cabral, de imediato oficiou o secretário Municipal de Educação, Hermon Freitas que comparecesse a Câmara Municipal para dialogar com a Comissão de Educação e com uma comissão de pais de alunos para tratar do assunto.

Tão logo a sessão terminou, o secretário Municipal de Educação Hermon Freitas compareceu ao Poder Legislativo e sentou-se com os vereadores Valci Vieira dos Santos (SD) e José Mendes Almeida da Cruz (PSDB), titulares da Comissão de Cultura, Educação, Saúde, Lazer e Turismo, além do vereador Jonathan de Oliveira Molar (SD) que também é educador, e com uma comissão formada por pais, alunos e professores da Escola Municipal Filhos de Sião.

escolad1Questionado pelos vereadores, o secretário Municipal de Educação, Hermon Lopes de Freitas, disse que a decisão de fechar a escola foi após o resultado de um diagnóstico técnico, inclusive com parecer do Ministério Público Estadual e da APLB Sindicato, dando conta que a unidade não oferecia mais condições físicas para abrigar alunos e servidores e, seus preceitos físicos também não são mais adequados para oferecer uma educação de qualidade e para oferecer conforto aos seus usuários.

Tendo em vista a existência do diagnóstico, explicou o secretário Hermon Freitas, se analisou que o prédio que funciona a Escola Municipal não pertence ao município e trata-se de um prédio alugado. O município então chamou o dono do imóvel e lhe solicitou que promovesse a revitalização do prédio para que o município continuasse o contrato de aluguel com ele e para se manter as atividades escolares no local, mas o proprietário se negou a promover a reforma.

Daí surgiu, explica o secretário, a real necessidade do município deslocar seus alunos para outras unidades próximas onde existem salas vazias até a construção de um prédio próprio da Escola Municipal Filhos de Sião, sob avaliação que seria desnecessário continuar pagando aluguel em um prédio em péssimas condições com o risco de causar qualquer transtorno futuro contra seus alunos e professores.

Os pais de alunos contestaram a decisão apenas pela falta de diálogo do município para com eles, pois a grande preocupação deles é com a perda dos vínculos escolares dos alunos com a equipe de profissionais da escola que segundo os pais, prestam um serviço educacional de relevância. A própria comissão de pais de alunos se comprometeu abrir um novo diálogo com o dono do imóvel objetivando convencê-lo a promover a reforma no prédio. Por sua vez, o secretário Hermon Freitas, pediu um prazo de até a próxima sexta-feira (17), para aguardar nova posição sobre o proprietário do prédio e disse que iria determinar a reavaliação sobre a decisão de desativação da escola naquele prédio.

escoladO vereador Valci Vieira disse que a reunião foi importante para ouvir as partes e que o diálogo é uma das molas mestras da gestão pública, pois sem ele é praticamente impossível fazer gestão, principalmente por se tratar de gestão pública, onde o povo é a prioridade primária. O vereador Jonathan Molar, disse que o movimento foi essencial para o exercício de cidadania, e que os pais e professores foram ao lugar certo e, sempre que fatos como esse acontecerem, o diálogo será aberto com o principio da legalidade, na ética, no respeito e, principalmente sob a vontade do povo. O vereador José Mendes destacou que este é o verdadeiro papel do vereador, que é atender a demanda da população e procurar soluções viáveis para os problemas. (Por Athylla Borborema).

  Categorias: