Polícia Civil diz que acerto de contas motivou ‘dono da JU’ a matar seu prestador de serviços

Polícia Civil diz que acerto de contas motivou ‘dono da JU’ a matar seu prestador de serviços
20 agosto 20:00 2014 Imprimir esta notícia

Após ter sido preso por policiais da CAEMA durante a fuga na altura do Km-914, da BR-101, nas imediações do povoado de Bela Vista, em território de Nova Viçosa, o advogado e milionário Danilo Ungaro, 34 anos, administrador e herdeiro do império JU, se encontra recolhido numa carceragem da 8ª Coordenadoria Regional da Polícia Civil de Teixeira de Freitas, onde foi autuado em flagrante delito pelos delegados Kleber Gonçalves e Júlio Telles, após ter matado o dono de um escritório de gerenciamento de fazendas, que era seu terceirizado e baleado a esposa da vítima e o sócio dele.

O crime aconteceu por volta das 15h desta terça-feira (19\08), no interior do escritório da empresa Juliano Guimarães Ltda., empresa especializada no gerenciamento financeiro de fazendas de café na região, sediado no primeiro andar do edifício da Unigraf, na Rua Felinto Muller nº 31, no centro de Teixeira de Freitas. No cenário do crime os peritos Paulo Libório e Everton dos Anjos, recolheram 16 cápsulas de cartucho calibre 380. Onde ficou claro que o criminoso descarregou o pente da arma nas suas três vítimas.

O dono do escritório, Nelson Gonçalves Guimarães Filho, 48 anos, foi morto com dois tiros no tórax e um de raspão na cabeça. Sua esposa Rogéria Zatta Guimarães, 34 anos e o seu sócio e primo Juliano Guimarães Silva, 30 anos, saíram feridos a bala. Juliano que também era design da empresa, já foi submetido a uma cirurgia e não corre mais risco de morte. Já Rogéria teve sua cirurgia concluída as 21h desta terça-feira (19), no Hospital Municipal de Teixeira de Freitas, por causa de um tiro que levou na altura do estomago e lhe perfurou o baço e o pulmão. Ela também foi alvejada com um tiro no braço direito.

Pelos menos 8 projéteis transfixaram a parede e atingiram a estrutura física e moveleira do escritório do Jornal Eletrônico Teixeira News, que fica estabelecido ao lado. Dentro do escritório do Jornal Teixeira News os peritos recolheram pelos menos 5 projéteis amassados e triturados. No momento do crime, o escritório do TN estava sem nenhum profissional trabalhando na redação.

O delegado Júlio Telles que preside o inquérito do crime, apurou inicialmente que a vítima Nelson Gonçalves Guimarães Filho, havia discutido com o autor na rua em frente ao prédio do escritório e após ter disparado uma ofensa e virado as costas para o autor, foi alvejado com o primeiro tiro de raspão na cabeça, quando conseguiu correr e subir as escadarias para se refugiar no seu escritório, mas acabou alcançado no interior do seu escritório e atrás da porta foi assassinado a tiros. Sua esposa e seu sócio que estavam no escritório também foram alvejados. Uma moça que também trabalhava no local, saiu ilesa e foi quem primeiro deixou o prédio em busca de socorro.

Após o crime o advogado e empresário Danilo Ungaro, 34 anos, sobre o volante da sua Caminhonete Ford, modelo Ranger, cor prata, Placa Policial FBL-2306, licenciada de Barueri-SP., saiu em fuga em direção ao Espírito Santo, mas acabou interceptado na BR-101, próximo ao distrito de Posto da Mata pela equipe do 1º tenente Monivon dos Santos Costa, da CAEMA – Companhia de Ações Especiais da Mata Atlântica de Posto da Mata e apreenderam com ele, a arma do crime, uma Pistola calibre 380, com um pente vazio e mais outro pente municiado de cartuchos intactos.

Conforme a Polícia Civil, o autor Danilo Ungaro, filho do patriarca da família Ungaro, dona da JU, empresa que comanda a produção de café nos municípios de Itamaraju, Prado, Vereda e Teixeira de Freitas – disse inicialmente que teria entrado em desacordo com sua vítima Nelson Guimarães após um acerto de constas e alegou que estaria sendo lesando nos negócios em que o escritório da vítima prestava serviços para suas fazendas. O matador Danilo Ungaro, é filho e herdeiro do milionário Jadir Ungaro, dono do império JU.

Uma das fazendas da JU foi ocupada recentemente pelo MST e Danilo Ungaro já estava de posse do mandado de reintegração de posse. Nos últimos dias, tanto Nelson Guimarães, quanto seu primo Juliano Guimarães, deram várias entrevistas aos veículos de comunicação de Teixeira de Freitas, explicando a situação da fazenda invadida e falavam como legítimos representantes da empresa JU. Mas, a parceria não duraria muito. O homem morto, Nelson Gonçalves Guimarães Filho, 48 anos, era casado com Rogéria Zatta Guimarães, 34 anos, que também foi alvejada com dois tiros. Ele deixou dois filhos, uma menina de 16 anos e um menino de 8 anos. (Por Athylla Borborema)

  Categorias: