Religiosos se reúnem em tributo à Páscoa na Escola onde professora foi agredida por aluna em Teixeira de Freitas

Religiosos se reúnem em tributo à Páscoa na Escola onde professora foi agredida por aluna em Teixeira de Freitas
03 abril 23:33 2018 Imprimir esta notícia

Uma das primeiras ações do recém-criado Grupo de Vivências Ecumênicas – GVC, foi o Encontro entre as religiões realizado na segunda-feira (19/03) na Quadra Poliesportiva da Escola Municipal Clélia das Graças Figueiredo Pinto, no bairro Santa Rita, local onde a professora Inês Aparecida da Silva, com 32 anos dedicados ao ensino, na sexta-feira do último dia 23 de março, foi agredida por uma aluna de 13 anos. Por ocasião que a estudante não só agrediu verbalmente a educadora, como também a derrubou, dando-lhe socos e pontapés, quando teve seus óculos quebrados e pedaços da lente cortaram seu rosto.

O episódio da agressão cometida contra Inês ocorreu após a professora ter solicitado à aluna que não continuasse sentada no “braço” da carteira, lhe advertido sobre um possível acidente. A temática norteadora do encontro promovido na Escola pelo GVC – Grupo de Vivências Ecumênicas, foi “Páscoa e Solidariedade” na cosmovisão de cada religião. A quadra esportiva ficou cheia de alunos do Ensino Fundamental. Eles pararam para ouvir o que cada líder, dentro da sua confissão religiosa, compreende sobre o sentido da Páscoa e Solidariedade.

cled2O grupo de Vivências Ecumênicas, iniciado a partir das motivações da Caminhada pela Paz, é formado pelos religiosos padre Celso Kallarrari, da Igreja Sírio-Ortodoxa de Antioquia – ISOA; pelo padre Fabiano Costa, da Igreja Católica Romana – ICAR; e pelo pastor Davi Haesi da Igreja de Confissão Luterana do Brasil – IECLB. No encontro, estiveram também presentes, o Rash Carlos Oz e o pregador da Renovação Carismática Cláudio Tota quem animou a plateia jovem, cantando e compartilhando seu testemunho pessoal. Ainda faz parte do Grupo de Vivências Ecumênicas, o pastor e professor Oséias Santos, da PIBATEF – Primeira Igreja Batista de Teixeira de Freitas, que não pode fazer-se presente porque estava em viagem.

Em entrevista, o pastor Davi Haesi destaca o momento vivido, junto aos companheiros de denominações diferentes, na Escola Municipal Clélia das Graças Figueiredo Pinto, no bairro Santa Rita, para falar de Páscoa e Solidariedade para os alunos. Para ele, é importante a vivência da unidade, de sermos um contraponto a intolerância religiosa, preconceito racial e cultural, bem como, saímos de “nosso quadrado” e dialogarmos para e com os que não são “os nossos”.

Acerca do encontro na Escola Municipal Clélia das Graças Figueiredo Pinto, o padre Fabiano dos Santos Costa destacou que o momento foi de suma importância para uma sociedade mais fraterna, para o estabelecimento da paz, para nos irmanarmos. “Penso que esta colaboração, este diálogo, ortodoxo, católico, protestante e judaico faz com que os adolescentes percebam que somos diferentes, porque estamos em diálogo e o diálogo é a base para a solidariedade. O próprio Cristo se fez solidário, assumindo a condição humana e, no madeiro da cruz, entregou-se por nós. Esta é a linguagem do amor e graças a Deus temos conseguido levar esta linguagem. Quando a sociedade olha para nós e vê que nós estamos dialogando, estamos nos entendendo, ela é incentivada a voltar aos valores nobres que, infelizmente, tem-se perdido. Valores como solidariedade, sensibilidade, empatia, amor, paz, justiça, comunhão, entendimento, reconciliação. Aliás, Cristo é a nossa paz, é a paz para a solidariedade é exatamente este, seguir o exemplo de Cristo que se fez solidário, que veio encher o mundo de paz, de solidariedade e de amor”, disse.

cled1O padre Fabiano Costa ainda lembrou sobre a agressão ocorrida na sexta-feira, dia 23 de março, com a professora Inês Aparecida. Infelizmente, causou-me profunda tristeza que a professora Inês foi agredida por uma de suas alunas. Gostaria de transmitir para a jovem agressora que ela tenha mais tolerância, mais amor, perdão. Olhar para o outro com mais amor, como ser humano, a fim de vivermos a fraternidade como pessoas que estão em busca para construir a paz.

O padre Celso Kallarrari sinalizou as diferenças entre o catolicismo ocidental e oriental, mostrando a Páscoa, apesar das diferenças entre datas, como ponto em comum nas celebrações tanto ortodoxas quanto católicas. Destacou, ainda, a importância da pessoa de Cristo como a nossa verdadeira Páscoa. Cristo é, afirmou o padre, a nossa verdadeira páscoa, o pão vivo de Deus descido do céu. “Aquele que come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna”. De acordo com o padre, encontros como este, com um público de adolescente estudantes, favorecem a discussão de temáticas importantes na formação de jovens. O debate e a discussão desses assuntos dentro do contexto escolar favorece não só a compreensão, mas também a resolução de muitas problemáticas que têm suas origens por falta de conhecimento e de maturação.

Para o padre Celso Kallarrari, que é escritor premiado e professor universitário, assuntos diversos, tais como, as drogas, bullying, preconceitos, violência, intolerância religiosa, pedofilia, etc., devem ser discutidos na própria escola. “Para nossa surpresa, três dias depois do encontro e um dia antes da Caminhada pela Paz, houve um caso de violência dentro da escola, praticado por uma aluna contra a professora Inês. Inclusive uma das professoras que participavam do evento. Não podemos deixar para depois, o que podemos fazer hoje. Este é um exemplo de que a violência e outras temáticas estão muito próximas de nós e precisamos fazer alguma coisa para contornar a situação. Este é um dos objetivos do Grupo de Vivências Ecumênicas, mostrar que juntos somos mais fortes e que podemos, juntos, lutar pelo bem comum. De braços cruzados é que não podemos ficar”, concluiu o religioso Celso Kallarrari.

De acordo com o pastor Davi Haesi, ao citar o Apóstolo Paulo, “Levai as cargas uns dos outros…” (Gl 6, 2), precisamos estar mais sensíveis, pois: Se Deus é por nós, então se desvanecem os motivos de sermos contra que pensa e é diferente, contra a natureza e contra Deus mesmo. Pela Fé na ressurreição, o Sentido da PÁSCOA, nos convida a renovarmos a esperança por dias melhores, à solidariedade, o amor fraternal e alegria de viver sob a graça e a presença de Deus – Pai e Mãe de todos/as.

O pastor referiu-se, ainda, a sensibilização, a mobilização, o envolvimento e o comprometimento de pessoas com causas comuns e com desafios emergenciais tem um significado e uma importância muito grande. Segundo o pastor, é preciso colocar-se na situação de outra pessoa que carece de algum tipo de apoio faz com que brote uma disposição para ajudar em um movimento de solidariedade e de comunhão.

cled“Este período da Quaresma à PÁSCOA nos convida a refletir a ação de Deus em nosso favor. É um período para olharmos ainda mais profundo para o/a outro/a como o nosso semelhante, pois vemos como Deus, em Cristo, assume o compromisso com sua criação, a partir do amor, compaixão e misericórdia”, ressaltou o pastor Davi Haesi.

Para o Rash Carlos Oz, membro do Judaísmo Messiânico em Teixeira de Freitas, que também se fez presente, o encontro entre as religiões foi indescritivelmente marcante: “O encontro foi marcante em minha vida, porque tive a oportunidade de falar sobre o verdadeiro sentido da Páscoa para os estudantes. Deus se fez presente e transformou o evento em uma comunhão de fé que ultrapassou aquilo que humanamente esperávamos. Homens que tendo identidades históricas distintas, sentimos como o Reino de Deus está avançando na visão do novo homem, onde o fato de sermos servos de Deus impera sobre nossa humilde, no entanto, maravilhosa condição de humanos objetos da graça do Eterno”, pontuou. (Por Athylla Borborema).

  Categorias: