Seca: Sobe de 2 para 21 as cidades baianas que racionam água

Seca: Sobe de 2 para 21 as cidades baianas que racionam água
20 março 17:00 2017 Imprimir esta notícia

A estiagem que atinge diversas regiões do estado é tanta que subiu de dois para 21 o número de municípios baianos que vivem racionamento de água.

O ano de 2016 chegou ao fim com Vitória da Conquista e Belo Campo nessa situação. Agora, outros 19 municípios se juntam a eles. São elas: Queimadas, Santaluz, Senhor do Bonfim, Jacobina, Jaguarari, Caldeirão Grande, Andorinha, Itiúba, Ponto Novo, Filadélfia, Seabra, Brotas de Macaúbas, Ibitiara, Novo Horizonte, Bonito, Palmeiras, Tapiramutá, Entre Rios e Morro do Chapéu, além das localidades de Angico (distrito de Mairi),  Umbuzeiro (distrito de Mundo Novo) e Altamira (distrito de Conde).

De acordo com a Embasa, a medida extrema do racionamento foi adotada por conta da diminuição do nível dos mananciais utilizados para o abastecimento dessas regiões.

Situação de emergência
Mais da metade dos municípios baianos declarou situação de emergência por conta da seca. Ao todo são 223, que representam 3,2 milhões de pessoas afetadas. O problema é que a seca, que antes só afetava o semiárido, hoje atinge várias partes da Bahia. “Temos municípios no extremo sul do estado que declararam situação de emergência”, informou o superintendente de Proteção e Defesa Civil do Estado, Paulo Sérgio Luz.

Segundo ele, desta vez há um quadro de pré-colapso para 80 cidades. “Se não chover nos próximos 90 dias, pode faltar água nessas cidades. Na Bahia nunca tivemos essa situação. É a pior seca da história, apesar de não ter ninguém morrendo. Começou em 2011, em 2012 se intensificou e, em todos os anos seguintes, a chuva veio abaixo da média”, explicou. Segundo ele, a população da cidade fica apavorada diante da iminência da falta de água. “O semiárido está virando deserto e o Sul da Bahia  virando semiárido. É preocupante a abrangência da seca.”

Pedido de ajuda
O presidente da União dos Prefeitos da Bahia (UPB), Eures Ribeiro, e prefeitos que representam as regiões mais afetadas pela estiagem terão uma audiência amanhã com o ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, para discutir a situação da falta de água e da fome provocadas pela seca que tem castigado os municípios baianos. (Informações: Correio)

  Categorias: