ADAB regulamenta abate inspecionado de eqüídeos e matadouro inicia atividade com 300 jumentos

ADAB regulamenta abate inspecionado de eqüídeos e matadouro inicia atividade com 300 jumentos
15 julho 10:26 2016 Imprimir esta notícia

Após publicação da Portaria nº 255 (29/06), que define critérios para o abate de eqüídeos na Bahia, pela Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab), vinculada à Secretaria da Agricultura (SEAGRI), o frigorífico Frigocesar, registrado no Serviço de Inspeção Estadual (SIE), em Miguel Calmon, iniciou o abate de jumentos. Neste primeiro momento foram abatidos mais de 300 animais, e toda a atividade contou com a inspeção de cinco médicos veterinários da ADAB, que garantiram o cumprimento de todas as exigências higiênico-sanitárias e de bem-estar animal.

Antes do abate, os animais são encaminhados a uma propriedade para realização de exames clínico e laboratorial. Só são abatidos os jumentos que pesem, no mínimo, 100 quilos. O procedimento é praticamente igual ao realizado com bovinos. O estabelecimento que está realizando os abates encontra-se dotado de instalações, equipamentos e utensílios adequados para este fim, e também para manipulação, acondicionamento e conservação, permitindo a segregação em câmaras frias exclusivas para este tipo de atividade.

Com o abate temporário de dois mil animais, adquiridos em grande parte através de capturas realizadas em vias rodoviárias, estaduais e federais, em parceria com Seinfra, DNIT e Polícia Rodoviária Federal e Estadual, e de criadores da região, estima-se obter cerca de 200 toneladas de produtos, os quais receberão rotulagem específica com dizeres como “produto não destinado à alimentação humana” e terão um rígido controle na sua armazenagem e distribuição.

O diretor-geral da ADAB, Marco Vargas, diz que a portaria do Governo é clara e impede que a carne de jegue seja usada para o consumo humano, “considerando que o consumo de carne de eqüídeos não faz parte da nossa cultura, além de existir legislação que proíbe o abate para esta finalidade. Mas como forma de aproveitamento, a carne será doada ao zoológico de Salvador, que vai alimentar grandes animais e o resíduo restante vai ser transformado em ração animal, em uma graxaria (fábrica de produtos não comestíveis)”, acrescenta o diretor-geral, ressaltando que a autorização para o abate é temporária.

Segundo o secretário da agricultura, Vítor Bonfim “a regulamentação do abate garante a abertura de novos mercados, com foco na exportação de pele para a China, e promove um efeito amenizador, de forma humanitária e ética, no problema histórico dos animais errantes que, além de provocar acidentes em rodovias, servem como agentes disseminadores de doenças infecciosas e zoonoses.” O secretário reafirmou ainda que “estão sendo tomamos todos os cuidados quanto ao bem-estar e sanidade animal, e que todo o trabalho está sendo acompanhado de forma rigorosa pela ADAB”. (Da redação TN)

  Categorias:

Comente a matéria

AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Comentários anônimos (perfis falsos ou não) ou que firam leis, princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas podem ser excluídos caso haja denúncia ou sejam detectados pelo site. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, entre outros, podem ser excluídos sem prévio aviso. Caso haja necessidade, também impediremos de comentar novamente neste site os perfis que tiveram comentários excluídos por qualquer motivo. Comentários com links serão sumariamente excluídos.