Assembleia Legislativa celebra 30 anos da Pastoral da Criança na Bahia e destaca ação das mulheres

Assembleia Legislativa celebra 30 anos da Pastoral da Criança na Bahia e destaca ação das mulheres
16 dezembro 16:53 2015 Imprimir esta notícia

Os 30 anos de atuação da Pastoral da Criança, comemorados no último dia 5, e os Direitos da Criança e Adolescente no Estado da Bahia foram refletidos durante uma audiência pública proposta e presidida pelo deputado estadual Marcelino Galo (PT), na Assembleia Legislativa, nesta terça-feira (15). Formada essencialmente por mulheres, a maioria negras, a Pastoral, organismo de ação social da CNBB, atua por 21 dioceses da Igreja Católica no estado levando vida, fé e esperança a milhares famílias e crianças baianas. O trabalho das voluntárias consiste em orientar e acompanhar as famílias em ações básicas de saúde, educação, nutrição e cidadania promovendo ações que fortaleçam o desenvolvimento integral das crianças no estado. Ao lembrar dos trabalhos iniciados por Dra. Zilda Arns, fundadora e coordenadora da Pastoral da Criança, morta em 2010 num terremoto no Haiti, Galo destacou o protagonismo das mulheres no trabalho desenvolvido pela Pastoral na defesa dos direitos das crianças e na redução da violência familiar e comunitária. “O trabalho desenvolvido pelas voluntárias surge na tentativa de inverter, de tirar as crianças desse ciclo de violência que permeia o país, fazendo delas a principal vítima. Esse protagonismo das mulheres da pastoral, iniciado por Dra. Zilda, é fundamental pra que nossas crianças tenham direitos, tenham direito a uma boa alimentação, ao acesso à boa educação, a saúde de qualidade, a integração social, porque isso é essencial para o seu desenvolvimento completo e integral”, destacou.

O espírito da solidariedade, da fé, do amor e respeito ao próximo norteiam as ações da Pastoral em seus 30 anos na Bahia, afirmou Cosme Oliveira, coordenador Estadual da Pastoral da Criança no estado, ao também destacar o legado deixado pela Dra. Zilda Arns. A Secretária Nacional da Pastoral da Criança, Ana Rute, ressaltou a importância da fé no voluntariado. “Vivenciar a misericórdia, é vivenciar o que cada voluntária faz nas comunidades. É essa misericórdia de Deus que nos dá força, nos alimenta. É fé no social e na transformação do social”. Durante a audiência, o deputado Marcelino Galo informou que o Projeto de Lei nº 15.634/2006, de autoria do ex-deputado Yulo Oiticica (PT), que visa criar na Bahia o Dia Estadual do Líder da Pastoral da Criança, será reapresentado no parlamento para que entre na pauta de votação da Casa. “Desarquivar esse projeto hoje é fundamental para que a gente, a cada dia, homenageie essa instituição que merece tanto respeito e admiração e muito apoio de todo estado brasileiro e de toda sociedade”, pontuou Yulo, que hoje é Ouvidor Geral do Estado.

Mais de 200 mil voluntários, dos quais 110 são líderes comunitários, acompanham 1,3 milhão de crianças menores de 6 anos e 70 mil gestantes. A pastoral da criança tem ação em 35,6 mil comunidades e promove o acompanhamento de 1 milhão de famílias. Essa ação dedicada e voluntária de líderes, que desenvolvem um trabalho solidário, comunitário e transformador, contribui para o fortalecimento da cidadania de todas as famílias envolvidas. Os Líderes são sujeitos ativos que se lançam no trabalho árduo de construção de uma vida mais digna e humana para todas as famílias atendidas, dando atenção integral às suas necessidades nas dimensões física, mental, social e espiritual. (Da redação TN)

  Categorias:

Comente a matéria

AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Comentários anônimos (perfis falsos ou não) ou que firam leis, princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas podem ser excluídos caso haja denúncia ou sejam detectados pelo site. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, entre outros, podem ser excluídos sem prévio aviso. Caso haja necessidade, também impediremos de comentar novamente neste site os perfis que tiveram comentários excluídos por qualquer motivo. Comentários com links serão sumariamente excluídos.