“Caliman” é atacado com disparos de pistola dentro de açougue em Teixeira de Freitas

“Caliman” é atacado com disparos de pistola dentro de açougue em Teixeira de Freitas
06 maio 17:35 2015 Imprimir esta notícia

Na noite desta terça-feira, dia 5 de maio, por volta das 20h, a 87ª Companhia Independente da Polícia Militar de Teixeira de Freitas (CIPM), foi acionada pelo telefone 190, para que pudesse atender uma ocorrência de homicídio no interior de uma estabelecimento comercial (açougue), onde um jovem havia sido executado com vários disparos de arma de fogo.

Imediatamente uma guarnição foi designada ao local e assim que os militares chegaram à Casa da Carne e Peixaria Carvalho, na rua Aurelino J. de Oliveira, bairro Vila Vargas, região central de Teixeira de Freitas, perceberam o rapaz caído dentro de um banheiro e em meio a muito sangue. Uma equipe do SAMU chegou a ser acionada, mas o jovem já estava em óbito.

A vítima trata-se de Kalijairo Amaral de Araújo, o “Caliman”, de 26 anos, residente no bairro Santa Rita, que fica um pouco mais à frente de onde o mesmo foi morto. O delegado Kleber Ginçalves, titular da Polícia Civil no município de Teixeira de Freitas e que está à frente das investigações do crime, informou com base em relatos de testemunhas, que Kalijairo já viria sendo perseguido pelos assassinos e numa atitude de desespero adentrou ao banheiro do comércio, onde terminou sendo executada ali mesmo.

Na perícia de local a cargo do perito criminal Manuel Gomes Garrido, ficou comprovado que Kalijairo Amaral de Araújo, o “Caliman”, de 26 anos, acabou morto com quatorze tiros, sendo oito na região da cabeça, um no peito, dois no abdômen, um no braço esquerdo, um no braço direito e um nas costas. No local foram encontrados 17 estojos de calibre 380, além de projéteis do mesmo calibre. Não é descartada a hipótese do assassino ter recarregado a arma para concluir a execução de “Caliman”, que já possuía algumas passagens da polícia por tráfico de drogas.

Concluída a perícia foi autorizada a remoção do corpo ao IML para exames de necropsia. As hipóteses mais prováveis é que o crime esteja ligado com dívidas ou a guerra por pontos do tráfico de entorpecentes. (Por Ronildo Brito e Tyago Ramos)

  Categorias: