Marqueteiro do PT é alvo de nova fase da Lava Jato em Salvador e Camaçari

Marqueteiro do PT é alvo de nova fase da Lava Jato em Salvador e Camaçari
22 fevereiro 18:41 2016 Imprimir esta notícia

A Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã desta segunda-feira, 22, a 23ª fase da Lava Jato, intitulada de Operação Acarajé. Os policiais cumprem mandados nas cidades de Salvador e Camaçari, na Bahia. Há ação também em Campinas e Poá, em São Paulo, e em Angra e na capital fluminense, no Rio de Janeiro.

A ação foca em três grupos: um de empresários responsáveis pelo pagamento de vantagens ilícitas; outro de um operador de propina; e o último de um grupo que recebe esse dinheiro. De acordo com a PF, há a confirmação do repasse de mais de US$ 7 milhões para contas no exterior.

Um dos alvos é o publicitário baiano João Santana, marqueteiro que trabalhou nas campanhas da presidente Dilma Rousseff e da reeleição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2006. As primeiras informações são de que a PF apura uma suposta conta mantida por Santana no exterior.

Há mandado de prisão expedido contra Santana, mas o publicitário está no exterior. Por conta disso, ele não foi preso. A mulher e sócia de Santana, Mônica Moura, disse para a GloboNews que eles retornarão ao Brasil quando receberem alguma ordem oficial. Os dois estão na República Dominicana, trabalhando em uma campanha.

Os policiais fazem buscas no edifício Arthur Moreira Lima, no Corredor da Vitória, na capital baiana, onde Santana mora. Além disso, eles cumprem mandados em outro imóvel do marqueteiro, em Camaçari, além da sede da Odebrecht, em Salvador.

Além de Santana, a empreiteira Odebrecht e o engenheiro Zwi Skornicki, que foi preso, são investigados. A operação também mira em um grupo de doleiros, entre eles Alberto Youssef. Ele delatou o esquema de corrupção na petroleira.

Nesta etapa, os federais buscam informações sobre a abertura de offshores (empresas no exterior) e compra de apartamentos no Condomínio Solaris, no Guarujá, em São Paulo. Os imóveis foram construídos pela OAS, que é investigada no esquema de propina envolvendo a Petrobras.

Ao todo, a operação cumpre 51 mandados: 38 de busca e apreensão,dois de prisão preventiva, seis de prisão temporária e cinco de condução coercitiva. Cerca de 300 participam da ação.

O nome da operação é uma referência ao apelido usado pelos alvos para designar dinheiro. (A Tarde)

  Categorias:

Comente a matéria

AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Comentários anônimos (perfis falsos ou não) ou que firam leis, princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas podem ser excluídos caso haja denúncia ou sejam detectados pelo site. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, entre outros, podem ser excluídos sem prévio aviso. Caso haja necessidade, também impediremos de comentar novamente neste site os perfis que tiveram comentários excluídos por qualquer motivo. Comentários com links serão sumariamente excluídos.