Mauro Cid diz ter entregue dinheiro das joias a Bolsonaro, afirma revista

Ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro (PL), Mauro Cid disse à Polícia Federal que entregou, “em mãos”, o valor da venda de joias oficiais a Bolsonaro. A afirmação é da revista Veja, que disse ter tido acesso aos depoimentos dados pelo coronel após assinar um acordo de delação premiada que o libertou da prisão em 9 de setembro, após 4 meses preso.

Mauro Cid diz ter entregue dinheiro das joias a Bolsonaro, afirma revista

Antes de ser solto, ele prestou depoimentos à Polícia Federal (PF) e confessou sua participação em dois casos investigados pelo Supremo Tribunal Federal (STF): a falsificação de cartões de vacinação e a tentativa de vender joias, relógios, canetas e outros presentes recebidos de outras nações por Bolsonaro durante o governo do ex-presidente.

No caso da venda de joias, o coronel admitiu ter participado da venda de dois relógios de luxo recebidos pelo ex-presidente e confirmou ter repassado o dinheiro obtido no negócio a Bolsonaro.

“O presidente estava preocupado com a vida financeira. A venda pode ter sido imoral? Pode. Mas a gente achava que não era ilegal”, disse Cid em depoimento.

Com relação aos cartões de vacinação, Cid assumiu a responsabilidade por tentar fraudar os registros do Ministério da Saúde ao emitir documentos que atestavam que ele, a mulher e as filhas haviam recebido os imunizantes contra a Covid-19. De acordo com o militar, a ideia é ter uma espécie de ‘salvo-conduto’ para ser usado caso a família fosse alvo de eventuais perseguições depois de terminado o governo.

PF morre e dois agentes ficam feridos em troca de tiros na Bahia

PF morre e dois agentes ficam feridos em troca de tiros na Bahia

USB-C no iPhone 15 vira motivo de piada entre Samsung, Xiaomi e outras marcas

USB-C no iPhone 15 vira motivo de piada entre Samsung, Xiaomi e outras marcas