Realizada segunda reconstituição simulada do caso Vitor Aguiar

Realizada segunda reconstituição simulada do caso Vitor Aguiar
12 janeiro 09:57 2016 Imprimir esta notícia

Como da primeira vez, em 28 de dezembro de 2015, o acusado de cometer o crime, Renilton Prachedes Rodrigues, de 20 anos, resolveu de última hora negar a autoria do assassinato, no início da noite desta segunda-feira, dia 11 de janeiro, aconteceu a segunda reconstituição do homicídio que vitimou o empresário dos ramos de veículos e transportes, Vitor Aguiar Antônio, de 30 anos, morto com um disparo de arma de fogo numa de suas casas, localizada à rua Tapajós, no bairro Universitário, região sul de Teixeira de Freitas.

Na primeira tentativa de reconstituição, após Prachedes negar a autoria da morte, o perito criminal Paulo Libório, coordenador do Departamento de Polícia Técnica de Teixeira de Freitas (DPT), optou em se retirar do local, afirmando que sem autoria assumida, ficava difícil incriminar o acusado, já que cabia à Polícia Civil, responsável por sua prisão, o ônus da prova.

Desta vez os trabalhos periciais foram comandados pelo também perito criminal Bruno Mello, responsável pelas análises iniciais no cenário do crime e portanto considerado o perito oficial do caso da morte de Vitor Aguiar.

A nova reconstituição foi solicitada pelo delegado Kleber Gonçalves, titular da Polícia Civil no município de Teixeira de Freitas e autoridade que preside o inquérito do caso e além de Bruno Mello, o trabalho contou com a participação do perito técnico Everton dos Anjos, além de agentes da 8ª Coorpin e do próprio acusado Renilton Prachedes Rodrigues, de 20 anos, preso no Espírito Santo no dia 22 de dezembro de 2015, acusado de ser o autor do disparo que matou o empresário.

Na reconstituição realizada na noite desta segunda-feira, dia 11,  os peritos utilizaram uma máquina de fumaça e um lazer para identificar a trajetória do projétil, que atravessou o portão de metal e atingiu Vitor Aguiar que estava sentado de costas na cabeceira da mesa juntamente com seus amigos. Após ser atingido na lateral do tórax, um pouco abaixo da axila, o empresário chegou a ser socorrido ao Hospital Sobrasa de Teixeira de Freitas, mas acabou não resistindo ao ferimento e morreu poucas horas depois.

prachedesd1Segundo informações da Polícia Civil, Renilton confessou a autoria do disparo e teria relatado que atirou porque não suportava mais o barulho da festa promovida por Aguiar e seus amigos no local. Prachedes mora vizinho à casa onde aconteceu o assassinato. A polícia informa que Renilton foi interrogado no dia de sua prisão, na presença de seu advogado, quando afirmara ter atirado sem a intenção de matar. A polícia tenta agora apreender a arma que teria sido usada no crime, a qual Renilton havia vendido para um desconhecido.

Aguarda-se que após essa nova reconstituição, pelo visto bem sucedida, para que o delegado Kleber Gonçalves conclua o inquérito policial. Aí ficará faltando apenas o pronunciamento do Ministério Público (MP) na peça, que logo depois será remetida à Justiça. (Por Ronildo Brito)

Reportagem relacionada

Controvérsias marcam tentativa de reconstituição simulada do assassinato de Vitor Aguiar

  Categorias:

Comente a matéria

AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Comentários anônimos (perfis falsos ou não) ou que firam leis, princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas podem ser excluídos caso haja denúncia ou sejam detectados pelo site. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, entre outros, podem ser excluídos sem prévio aviso. Caso haja necessidade, também impediremos de comentar novamente neste site os perfis que tiveram comentários excluídos por qualquer motivo. Comentários com links serão sumariamente excluídos.