Teixeira de Freitas: Delegado diz que existem duas linhas na apuração do assassinato de Sérgio Bonisenha

Teixeira de Freitas: Delegado diz que existem duas linhas na apuração do assassinato de Sérgio Bonisenha
26 fevereiro 13:10 2016 Imprimir esta notícia

O delegado Kleber Gonçalves, titular da Polícia Civil de Teixeira de Freitas, que preside o inquérito policial do assassinato do empresário Sérgio Bonisenha, informou que as investigações estão em curso e as primeiras informações obtidas vieram a partir das imagens das câmeras de videomonitoramento dos estabelecimentos da rua e após obter os resultados biográficos da vítima e de outras pessoas estabelecidas na Avenida.

As imagens mostraram a movimentação dos criminosos desde o período manhã daquele dia, onde eles foram várias vezes à Avenida e a cada ida ao local, eles estacionavam o veículo em lugares diferentes daquele trecho da via pública sem deixar claro quem eram e onde estaria o alvo deles.

Segundo o delegado Kleber Gonçalves, a polícia está trabalhando com duas linhas de investigações e está propensa a pedir a prisão temporária de um casal em Vitória, no Espírito Santo, para tentar esclarecer o fato e chegar aos pistoleiros que também poderão ser do território capixaba. E a outra hipótese e a mais provável para a polícia, é que o empresário Sérgio Bonisenha tenha sido realmente confundido com um vizinho da rua que tem características parecidas com a sua e possui um veículo igual ao da vítima.

O crime aconteceu ao lado do prédio de uma emissora de rádio por volta das 15h de quinta-feira, do último dia 21 de janeiro, na Avenida Panhossi, no bairro Jardim Liberdade, na região centro oeste de Teixeira de Freitas. O empresário Sérgio Almir Bonisenha, 49 anos, chegava em sua empresa, uma fábrica de móveis denominada de “Arte Móveis”, quando foi surpreendido pelo atirador, que aproximou-se da vítima e “abriu” fogo.

Os médicos legistas do Instituto Médico Legal de Teixeira de Freitas constataram que o empresário foi abatido com sete disparos de Pistola calibre 9 milímetros, sendo que dois lhe atingiram a cabeça (nuca) e cinco nas costas, numa evidente ação característica de execução. Os peritos criminais evidenciaram que a vítima ao mínimo desconfiou que seria morta, porque saiu do carro e não deu a mínima importância para o carro escuro nas sua proximidades e nem para o homem que se dirigiu na sua direção, dando-lhe as costas e caminhou em direção à sua empresa, quando foi abatido por trás.

bonisenhadSérgio era o filho mais velho de uma família capixaba que se estabilizou na região há 25 anos, oriunda da cidade de Linhares. Toda família Bonisenha é do ramo empresarial na área de fabricação de móveis e trata-se de uma gente de elevado conceito e prestígio social, fruto de mais de duas décadas construindo a marca de suas empresas. Em 2002, Sérgio Bonisenha deixou os irmãos em Itamaraju e se mudou com a família e sua fábrica para Teixeira de Freitas, onde ganhou importância e reconhecimento profissional na fabricação de móveis.

Sérgio Bonisenha era casado e deixou duas filhas adolescentes, era um chefe de família de grandes exemplos – a sua morte deixou toda sua família desolada e sem forças e, “no fundo” buscando uma resposta para tamanha tragédia. O seu assassinato coincidiu de ter ocorrido dias depois do assassinato de outros dois empresários da cidade que causaram enormes repercussões. O empresário Victor Aguiar Antônio, 30 anos, proprietário da concessionária de veículos Hyundai e o assassinato do agropecuarista Moysés Gonçalves Pereira, o “Moisezão”, 46 anos. (Por Athylla Borborema)

  Categorias: