Bolsonaro pede ao Supremo devolução do seu passaporte

O ex-presidente Jair Bolsonaro, por meio de sua defesa, pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) a devolução do seu passaporte apreendido pela Operação Tempus Veritatis, que investiga uma suposta organização criminosa que teria planejado um golpe de Estado no país. Os advogados argumentam que a apreensão não preenche requisitos legais, por não ter sido demonstrado, segundo a defesa, risco real de fuga, por exemplo. Eles pedem que a retenção do passaporte seja substituída pela obrigação de pedir autorização para deixar o país por mais de sete dias.

Bolsonaro pede ao Supremo devolução do seu passaporte

A defesa do ex-presidente sustenta ainda que a retenção do passaporte viola o direito à locomoção e teria adquirido caráter de antecipação de pena. Para os advogados, Bolsonaro “está sendo tratado como culpado, não só por este juízo como também pelos veículos de comunicação”. Na petição, os advogados acrescentam que durante todo o ano de 2023 Bolsonaro precisou se ausentar do país apenas uma vez, para comparecer à posse do presidente argentino Javier Milei, e que avisou sobre a viagem ao Supremo com antecedência.
A operação da PF realizada na última quinta-feira aumenta a pressão no entorno de Jair Bolsonaro. Caso seja processado e condenado pelos crimes de tentativa de golpe de Estado, tentativa de abolição do Estado democrático de direito e associação criminosa, o ex-presidente poderá pegar pena de até 23 anos de prisão e ficar inelegível por mais de 30 anos.

O ex-presidente já foi condenado pelo Tribunal Superior Eleitoral por uso da máquina na última disputa presidencial e por ataques e mentiras sobre o sistema eleitoral e é alvo de diferentes outras investigações no STF. Ele está inelegível ao menos até 2030. Em vídeo em que convoca apoiadores para uma manifestação no próximo dia 25, na Avenida Paulista, Bolsonaro diz que estará presente para se defender de todas as acusações imputadas contra ele nos últimos meses.
Em entrevista à TV Record, veiculada na última sexta-feira, Bolsonaro falou sobre o vídeo em posse da PF da reunião ministerial realizada em 5 de julho de 2022, a três meses das eleições, ocasião em que ele e auxiliares discutem claramente cenários golpistas. “A divulgação dela [reunião] não vejo nada demais. Tem trechos ali muito importantes que eu vou fazer os recortes e vou divulgar. Eu nem sabia que existia essa gravação. Se alguém tivesse pedido para gravar eu autorizaria”, disse.

Dois fogem de Mossoró, na 1ª fuga da história das prisões federais

Dois fogem de Mossoró, na 1ª fuga da história das prisões federais

Sesab confirma duas mortes por dengue na Bahia

Sesab confirma duas mortes por dengue na Bahia