Censo 2022: Teixeira de Freitas não é mais o maior município da região

Pesquisa e texto Ronildo Brito

O município de Teixeira de Freitas, que em 2010, conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) tinha 138.341 habitantes, teve um acréscimo de 6.882 moradores em 12 anos, alcançando 145.223 residentes, mas perdeu o posto de maior da região em população, que agora pertence a Porto Seguro, que saltou de 126.955 em 2010 para 167.955 na contagem de 2022, crescimento de 41.026 pessoas residentes.

Censo 2022: Teixeira de Freitas não é mais o maior município da região
Com seu potencial turístico e valor histórico, Porto Seguro atrai novos moradores brasileiros e até do exterior

 

O crescimento, que para muitos chega a ser surpreendente, também constatou que a cidade mater do Brasil, foi a quarta que mais cresceu em números estatísticos de habitantes no estado da Bahia, ficando atrás somente de Luiz Eduardo Magalhães (60.105/107.909), e dois municípios menores (Nordestina 12.371/18.402) e Rodelas (7.775/10.306). Mas em números absolutos, Porto Seguro foi o segundo município que mais cresceu no estado, ficando atrás apenas de Luiz Eduardo Magalhães.

Enquanto Luiz Eduardo, com grande potencial no agronegócio, sobretudo na produção de soja, ganhou mais 47.804 habitantes, Porto Seguro, um dos destinos turísticos mais conhecidos do país e até mundialmente, contabiliza 41.026 novos moradores na última década.

Ainda no extremo sul, outro município que figura entre os dez que mais cresceram no estado da Bahia, conforme o novo censo do IBGE, é Prado (sétimo da lista), que saiu de 27.627em 2010 para 35.003 moradores na contagem de 2022, crescimento de 7.376 habitantes.

Redução

Proporcionalmente, conforme o levantamento do IBGE, as maiores reduções de população na Bahia, entre 2010 e 2022, aconteceram nos municípios de Caatiba (-45,7% no período, chegando a 6.205 habitantes), Ubatã (-35,6%, indo a 16.111 pessoas) e Gongogi (-33,6%, ficando com 5.549 habitantes). Em termos absolutos, Salvador liderou (menos 257.651 pessoas entre 2010 e 2022), seguida por Itabuna (-17.959 pessoas, indo a um total de 186.708) e Candeias (-10.776, atingindo a 72.382 habitantes).

Mais

Outra cidade onde havia uma expectativa que pudesse registrar números negativos na nova contagem do IBGE, é Mucuri, primeiro município da Bahia para quem se dirige da região sudeste em direção ao nordeste. Com um aumento de 1.949 novos moradores, a cidade sede da companhia Suzano, maior produtora mundial de celulose e referência global na fabricação de bioprodutos desenvolvidos a partir do cultivo de eucalipto, chegou a 37.975 pessoas (2022), ante 36.026 (2010).

Já Eunápolis, município que também abriga outra empresa papeleira (Veracel) e é conhecido por seu potencial económico/comercial, registrou um significativo crescimento populacional em números absolutos no censo de 2022, em comparação com a totalização de 12 anos atrás e saltou de 10.196 habitantes em 2010, para 113.709 moradores na contagem de 2022.

Comparativo

Nos Censos entre os anos de 2010 e 2022, 229 municípios do Estado da Bahia, tiveram reduções no número de habitantes. A redução das populações foi bem mais disseminada no estado do que entre os Censos de 2000 e 2010, ocasião na qual 146 dos 415 municípios existentes às épocas dos censos (35,2%) viram os números de moradores caírem.

Destaque

Destaque da Bahia, com aumento de 79,5% no número de habitantes (mais 60.105 pessoas), entre 2010 e 2022, foi mesmo Luís Eduardo Magalhães, oeste do Estado, que atingiu uma população de 107.909 moradores recenseados, sendo o município com maior taxa de crescimento da Bahia e com a 3ª maior taxa de crescimento entre os municípios do país com mais de 100 mil habitantes. A nível nacional, perdeu somente para Senador Canedo-GO (+84,3%) e Fazenda Rio Grande-PR (+82,3%).

Polícia detém três suspeitos se sequestros seguidos de mortes em Eunápolis

Polícia detém três suspeitos se sequestros seguidos de mortes em Eunápolis

Votação no TSE é suspensa com 3 a 1 pela inelegibilidade de Bolsonaro

Votação no TSE é suspensa com 3 a 1 pela inelegibilidade de Bolsonaro